<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=1750190188405548&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
Postado em 22 de Fevereiro de 2022

A segurança deve ser um dos pilares de qualquer organização. Caso contrário, as operações empresariais (incluindo dados, prestação de serviços e equipe) estarão todas em risco. Por sua vez, tanto a reputação quanto o crescimento da empresa também estão sob ameaça.

Embora a transformação digital tenha sido, sem dúvida, um fator decisivo de sucesso para muitas organizações em todos os setores, para que produza resultados, é imperativo que quaisquer soluções, processos ou abordagens sejam respaldados por uma estratégia de segurança bem delineada.

Isso nunca foi tão importante à medida que os programas de transformação digital voltam à tona, com as empresas determinando planos pós-Covid e grande parte da força de trabalho ainda trabalhando remotamente ou adotando um modelo híbrido.

Além de espalhar o ambiente de TI em ainda mais dispositivos e locais, a pandemia também levou a um aumento nas ameaças e ataques à segurança cibernética. Durante o que já é um momento desafiador para as organizações, uma violação de dados ou um incidente que resulte em tempo de inatividade prolongado não é uma opção.

Portanto, as empresas precisam garantir que estão protegendo as operações, e não apenas as informações, as pessoas e os sistemas, mas também os negócios como um todo. Destacamos a seguir três maneiras de proteger as operações:

Migrar para a nuvem

Se alguma vez houve um momento para considerar a migração para a nuvem, a COVID-19 foi e, para muitos, serviu como um fator determinante com a sua capacidade de aumentar a resiliência e o desempenho dos negócios por meio da segurança, flexibilidade e acessibilidade melhores.

Mesmo uma abordagem de nuvem híbrida, combinando ofertas de nuvem pública e privada, permite que as empresas sejam mais adaptáveis e ágeis, ajudando a evitar o tempo de inatividade ou interrupção das operações com protocolos de backup confiáveis, ao mesmo tempo em que protege a conectividade e auxilia a colaboração.

Além disso, com a nuvem, os dados geralmente são armazenados com segurança externamente e o aumento da automação é opcional, o que significa que as ameaças podem ser monitoradas, detectadas e interrompidas com mais facilidade e rapidez usando ferramentas de segurança na nuvem.

Adotar uma abordagem multifacetada

Quando se trata de múltiplas funções, uma estratégia de segurança eficaz precisa ser holística e multifacetada. Não adianta proteger uma área da empresa e negligenciar as outras. É crucial incorporar todas as áreas de um ambiente na estratégia de segurança, desde os firewalls de rede até a proteção de endpoints.

Faça o que fizer, não procure atalhos e se mantenha sempre atualizado. Assim como as soluções de tecnologia, as ameaças à segurança cibernética estão em constante evolução. Portanto, é preciso saber quais são os riscos mais recentes e como se proteger contra eles.

Não se trata apenas de implementar soluções, deve-se pensar no suporte contínuo necessário para proteger completamente o ambiente de TI. Além disso, deve-se pensar na equipe e no que é necessário para garantir que ela tenha o treinamento e o conhecimento adequados para apoiar a estratégia geral de segurança.

Há uma política da empresa em vigor que informa as pessoas sobre como lidar com uma tentativa de ataque de phishing? Existe a visibilidade de todos os dispositivos que acessam os sistemas da empresa? Existem recursos para proteger todos os aspectos da infraestrutura de TI? Estas são apenas algumas das questões que precisam ser consideradas quando se trata de salvaguardar e proteger as operações empresariais.

Obter ajuda especializada

Identificar as soluções certas – não apenas as mais recentes – para proteger as operações e os sistemas empresariais também é vital. As organizações devem primeiro entender a natureza das ameaças às quais estão propensas, bem como os pontos fracos nas defesas que podem ser alvo de hackers e criminosos.

Para fazer isso de forma eficaz, muitas empresas trabalham com parceiros de TI especializados com anos de experiência e histórico comprovado. Isso também pode ajudar a identificar uma abordagem que pode evoluir e ser dimensionada de forma a atender aos requisitos de segurança e de negócios que inevitavelmente mudarão com o tempo.

Os especialistas em TI e os provedores de serviços gerenciados entendem isso e geralmente trabalham com líderes do setor, que sabem o que é preciso para proteger os negócios de maneira gerenciável, adaptável e responsiva. Além disso, eles podem gerenciar todo o processo, desde a avaliação e implementação até o suporte contínuo e a solução de problemas.

Ter arquiteturas e políticas de segurança robustas, bem como práticas adequadas à finalidade é a diferença entre uma empresa estar segura e estar no lado errado de um ataque que pode ser oneroso em termos de reputação, custos e serviços – por isso, esses fatores devem estar sempre no topo da lista de prioridades.

Comentários

Deixe seu comentário ou dúvida abaixo, lembrando que os comentários são de responsabilidade do autor e não expressam a opinião desta editoria. A Logicalis, editora do blog Digitizeme, reserva-se o direito de excluir mensagens que sejam consideradas ofensivas ou desrespeitem a legislação civil brasileira.