<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=1750190188405548&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

A internet das coisas está acontecendo; não é mais um modismo

Postado em 29 de Abril de 2020

O tema é considerado de muita importância para 42% dos executivos e este percentual tem projeção de dobrar nos próximos três a cinco anos. 

A internet das coisas é uma realidade. Diferentemente de outras tendências que perdem força um tempo depois de despontarem, a IoT conquista mais espaço a cada ano e já está acontecendo de fato. Embora sua adoção esteja acontecendo em estágios diferentes para cada setor, a tecnologia ganhou relevância e é hoje tema fundamental na estratégia de negócios de grande parte das companhias, não somente no Brasil, mas por toda a América Latina.

Prova disso é que, no Brasil, o tema é considerado de muita importância para 42% dos executivos e este percentual tem projeção de dobrar nos próximos três a cinco anos. Na América Latina, o salto esperado é ainda maior, de 17% para 73% no mesmo período. Além disso, 35% das empresas brasileiras e 24% das empresas latino-americanas já possuem alguma iniciativa de IoT. Esses números fazem parte do mais recente IoT Snapshot, estudo da Logicalis que busca mostrar um panorama da adoção de tecnologia no mercado brasileiro e latino americano. 

O grande destaque revelado no estudo deste ano é que o mercado demonstra que já passou da fase de compreensão sobre se a internet das coisas seria um grande aposta estratégica ou se acabaria como mais uma buzzword da tecnologia emergente. Após quatro edições é possível afirmar que a importância da IoT nas corporações vem crescendo ano a ano e de forma linear. Não se trata mais de uma promessa ou entropia. A fase de testes e provas de conceito (PoCs) vem evoluindo e as companhias amadurecendo este novo formato de atuação rapidamente, caminhando com agilidade para as fases de rollouts.

 O estudo mostra que 19% das empresas, no Brasil, já afirmam possuir soluções em produção e outras 16% em PoC ou piloto. Na região da América Latina onde a pesquisa foi aplicada, que inclui  Argentina, Chile, Colômbia e México, os porcentuais são 8% e 16%, respectivamente.

O mercado se mostra coerente também no aumento de times multidisciplinares para implementação de projetos de IoT. No Brasil, cerca de 26% já relata esse novo cenário. Um claro sinal de amadurecimento sobre a compreensão dos diversos pilares que compõe um projeto de internet das coisas. Além desses novos times, áreas que permeiam todo o negócio também vêm ganhando relevância, como a área de TI que, em 60% dos casos ainda lidera projetos do tipo, saindo do lugar de área de apoio para um patamar de sustentação dos negócios.

O cenário de mudanças traz consigo uma série desafios no que tange também, e de forma definitiva, a adaptação das pessoas a essa nova forma de atuar.  Sendo a cultura organizacional, inclusive, considerada um dos grandes desafios para a evolução da tecnologia dentro das organizações, segundo 28% dos entrevistados no Brasil. Uma barreira que permeia desde a capacitação de times para novos temas, como machine learning e inteligência artificial, como também a adaptação e o engajamento das pessoas aos novos processos e sistemas, consequências dessa transformação. 

Além da cultura e resistência a mudanças, a integração das novas soluções a sistemas legados e os custos iniciais das soluções também são desafios a serem superados. No entanto, é fato que as empresas  já enxergam a IoT como uma possibilidade concreta de buscar uma maior competitividade, alcançada com os benefícios de  eficiência operacional, novas fontes de receita  melhor suporte à tomada de decisões,  e redução de custos  que a tecnologia pode proporcionar aos negócios.   Portanto, bem-vindos a uma era de novas oportunidades, estratégias e maneiras de fazer negócios. A IoT veio para ficar!

Tags: IoT

Comentários

Deixe seu comentário ou dúvida abaixo, lembrando que os comentários são de responsabilidade do autor e não expressam a opinião desta editoria. A Logicalis, editora do blog Digitizeme, reserva-se o direito de excluir mensagens que sejam consideradas ofensivas ou desrespeitem a legislação civil brasileira.